quinta-feira, junho 14, 2012

“Filhinhos, não amemos de palavra e de boca, mas em ação e em verdade”



Certa vez li uma história que achei muito interessante. Ela dizia que um casal idoso, depois de muito tempo de casados, ainda partilhavam um jogo que tinham iniciado no tempo do namoro.
A regra do jogo era que um tinha que escrever a palavra NEOQEAV em um lugar inesperado para o outro encontrar, e assim que a encontrasse deveria escrevê-la em outro lugar, e assim sucessivamente.
Eles escreviam NEOQEAV com os dedos no açúcar dentro do açucareiro ou no pote de farinha para que o próximo que fosse cozinhar a achasse. Escreviam na janela embaçada pelo sereno que dava para o pátio da casa deles.
NEOQEAV era escrito no vapor deixado no espelho depois de um banho quente, onde a palavra iria reaparecer depois do próximo banho.
Certa vez, a esposa chegou a desenrolar o papel higiênico inteiro, para deixar NEOQEAV na última folha, e enrolou tudo de novo.
Não havia limites para onde NEOQEAV pudesse surgir.
Pedacinhos de papel com NEOQEAV rabiscado apareciam grudados no volante do carro que dirigiam. Eram enfiados dentro dos sapatos, e deixados sobre travesseiros. NEOQEAV era escrita com os dedos na poeira sobre as prateleiras, e nas cinzas da lareira. Esta misteriosa palavra fazia parte tanto da casa daquele casal quanto da mobília deles. A pessoa que contou essa história disse que demorou muito tempo para que pudesse entender e gostar completamente do jogo que eles jogavam. Segundo ela, aquele amor era realmente verdadeiro. Era um modo de vida.
Seu relacionamento era baseado na devoção e na afeição apaixonada, coisas que nem todo mundo tem a sorte de experimentar. Esse casal ficava de mãos dadas sempre que podiam. Roubavam beijos um do outro sempre que se batiam ou se cruzavam no corredor, ou na cozinha. Conta a história que ficaram juntos até ficarem bem velhinhos. E nunca se esqueceram de NEOQEAV.
A propósito, se você não conhece essa história, e ficou curioso sobre o significado dessa palavra, eu lhe explico: Não Esqueça O Quanto Amo Você.
A Necessidade do “EU TE AMO”
Essa história mexe comigo, porque fico pensando em quantas vezes durante a vida desse casal um deu certeza ao outro que o/a amava. Eles não se cansavam de repetir. Mas, o mais importante era que a outra pessoa realmente se sentia amada. Infelizmente, na vida de casados, muitas vezes os cônjuges se esquecem de como é importante falar essas três palavrinhas mágicas EU TE AMO. Elas precisam ser constantemente repetidas. Mas, mais do que repetição, elas precisam ser vividas. Esse é o conselho do apóstolo João, na bíblia: “Filhinhos, não amemos de palavra e de boca, mas em ação e em verdade” (I João 3:18, NVI). Aqui não está dizendo que não devemos falar eu te amo. Está dizendo que não devemos ficar limitados às palavras. Precisamos buscar maneiras de demonstrar o quanto amamos uma pessoa. Mais importante do que dizer, é preciso que a outra pessoa se sinta amada.
Postar um comentário