quinta-feira, setembro 06, 2012

Você é Crente ou Discípulo?



O crente espera pães e peixes; o discípulo é um pescador.
O crente luta por crescer; o discípulo para se reproduzir.
O crente ganha-se; o discípulo faz-se.
O crente depende do carinho da igreja; o discípulo está determinado a servir a Deus.
O crente gosta de elogios; o discípulo exerce sacrifício vivo.
O crente entrega parte de suas finanças; o discípulo entrega toda a sua vida a Deus.
O crente cai facilmente na rotina; o discípulo é um trabalhador incansável.
O crente precisa ser estimulado, o discípulo procura estimular os outros.
O crente espera que alguém lhe diga o que fazer; o discípulo assume responsabilidades.
O crente reclama das condições, murmura do que vê; o discípulo obedece, aceita e nega-se a si mesmo.
O crente é condicionado pelas circunstâncias; o discípulo as aproveita para melhor exercer a sua fé.
O crente resmunga e exige uma visita; o discípulo visita os enfermos e necessitados.
O crente pensa em si mesmo; o discípulo pensa nos outros.
O crente senta-se para adorar; o discípulo vive adorando.
O crente é a habitação do Espírito Santo: o discípulo, vive a vontade do Espírito, que habita em si.
O crente vale na igreja porque soma; o discípulo vale porque multiplica.
O crente é muitas vezes transformado pelo mundo; o discípulo transforma a sua vida para que o mundo nunca o transforme.
O crente destaca-se com ideias sobre as melhorias no templo; o discípulo destaca-se pela vontade de edificação da igreja.
Os crentes são soldados defensores; os discípulos são invencíveis soldados invasores.
O crente cuida da sua tenda; o discípulo desbrava e amplia o seu território.
O crente sonha com a igreja ideal; o discípulo empenha-se, com zelo, pela edificação dos salvos.
A meta do crente é ir para o céu; a meta do discípulo é ganhar almas para povoar o céu.
O crente necessita de festas para estar alegre; o discípulo vive em festa porque possui a genuína alegria de Deus.
O crente espera um avivamento; o discípulo ora por ele e trabalha para alcançá-lo.
O crente agoniza e desfalece com facilidade; o discípulo chora, quebranta-se, mas depois se levanta renovado, para dar amor e conforto aos outros.
Ao crente promete-se uma almofada; o discípulo tem uma cruz.
O crente é associado da igreja local; o discípulo é servo do Deus Altíssimo.
O crente cai facilmente nas ciladas do diabo; o discípulo afasta-as de si, não se deixando confundir.
O crente responde: Talvez!; O discípulo: Eis-me aqui!
O crente espera recompensa para dar; o discípulo é recompensado porque dá.
O crente retira-se ou deixa a sua congregação quando é incomodado; o discípulo, quando incomodado, humilha-se e espera no Senhor.
O crente muda de igreja, conforme sinta frio ou calor; o discípulo agrega “os frios” para sentirem o calor da comunhão.
O crente valoriza os irmãos que congregam em outros locais; o discípulo valoriza todos os irmãos, mas, em primeiro lugar aqueles que com ele são o edifício da igreja local.
O crente reúne-se para ouvir a Palavra do Senhor; o discípulo reúne-se, não só para ouvi-la, como também para praticá-la.
O crente satisfaz-se com a salvação adquirida; o discípulo vive agradecido pela salvação, cumprindo, agora, com os mandamentos do Senhor.
O crente sente monotonia na adoração; o discípulo alegra-se e rejubila com a ceia do Senhor.
O crente espera que alguém lhe interprete as Escrituras; o discípulo conhece a voz do seu Senhor.
O crente aconselha-se a si mesmo, ou pede conselho aos familiares pra tomar uma decisão; o discípulo ora a Deus, medita na Palavra e, pela fé, espera a resposta de Deus, e então decide-se.
O crente espera que o mundo melhore e ora pela paz no mundo; o discípulo sabe que não pertence a este mundo e aguarda ansioso pelo encontro com o Seu Mestre, orando para que muitas almas também encontrem a paz de Deus.

Postar um comentário