quarta-feira, dezembro 24, 2008

Amigo de pecadores!



Ele ainda é amigo de pecadores. Ainda senta-se à mesa com os publicanos e circula por aí falando
com mulheres samaritanas, prostitutas e adúlteras. Ele ainda chama revolucionários para serem
discípulos e pescadores de peixes para fisgarem almas. Escolhe jumentos para o conduzirem
em meio ao povo, ainda visita a casa daqueles que ninguém mais gosta e prefere a simplicidade
à tradições vãs. Ele ainda cura, liberta e salva os homens que a sociedade coloca à margem
de seu padrão.
Ele ainda conta histórias para entendermos as coisas grandes e sobrenaturais que
enxerga com tanta clareza. Ainda nos alimenta com sua palavra renovadora e com
pão e peixe multiplicados.
Ele ainda chora por seus amigos, ainda remove pedras, montanhas e até ressuscita mortos.
Ele ainda tem esperança em sua criação rebelde.
Ele ainda sente o toque na orla de sua veste, sente o poder saindo de si e ainda se curva para
os que o buscam com fé. Ele ainda faz barro para curar cegos, ainda seca árvores infrutíferas,
ainda anda sobre as águas e acalma as tempestades que nos assustam.
E se tudo não tivesse acontecido, Ele ainda rasgaria os céus e romperia o tempo para se fazer
carne entre nós. Ele ainda lavaria pés, partiria o pão e serviria o cálice. Ainda choraria sangue
em sua oração derradeira, ainda apanharia, receberia os insultos. E ainda ficaria quieto. Ainda
morreria a pior morte, morte de cruz, ainda viria ao mundo na plenitude dos tempos, nascido
do ventre de uma graciosa virgem.
Ele ainda provaria a que veio, ainda diria a mesma mensagem, talvez por palavras diferentes,
mas com a mesma intenção. Ele, sendo Deus, ainda viria, vivendo em homem, para mostrar
a esse que é possível vencer, quando se está em Deus.
E ainda hoje Ele faz coisas loucas para confundir as sábias. Ainda anda ao lado do povo,
serve os que não se prestam a tal. Ele ainda vem para os doentes, os pobres, os cansados.
Ainda carrega fardos. Ele ainda entra nas portas abertas e convidativas.
Ele ainda dá seu reino às crianças e o nega aos maldosos. Mas ainda perdoa, perdoa
incansavelmente até os que se cansam de tanto pecar.
Ele ainda é o Nazareno, é o carpinteiro, é o Verbo que se fez carne. Ele ainda é o Messias,
é o Cordeiro Santo, é Deus conosco, Emanuel. É o Leão da tribo de Judá, é o grande Eu Sou,
é Filho de Davi, Filho do Homem, é o ungido de Deus. Ele é Cristo, Jesus Cristo. Ele é o que
morreu e ressuscitou, e para sempre reconhecido como Senhor e Salvador.
Ele é o mesmo, ontem, hoje e sempre. Ele não veio para os sãos, veio para os doentes. Ele não
veio para santos, veio para pecadores. Ele não veio para dizer, mas deixou outros dizerem a
que veio: veio porque "Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito para
que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16).
Ele veio para mim...Ele veio para você.
Postar um comentário